|   Jornal da Ordem Edição 3.088 - Editado em Porto Alegre em 19.07.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
ARTIGO

30.07.13  |  Fabricio Nedel Scalzilli   

Esperem, pois a próxima virá!

Fabricio Nedel Scalzilli, presidente da Comissão Especial de Falências e Recuperação Judicial da OAB/RS

O Rio Grande do Sul, nos últimos anos, sistematicamente se depara com a crise e o tombamento de empresas que acabam prejudicando de alguma forma o povo gaúcho. A Companhia Varig S/A anos atrás, a Ulbra numa crise contínua, que levou ao seu encolhimento, Dougx Frangosul, que exigiu uma atuação firme do governo no ano passado e agora em menor grau, mas não menos problemática, a Portiere Móveis. Há outros casos, mas esses exemplos são mais que suficientes para uma reflexão. Quem será o próximo e quão devastador serão as consequências para pessoas comuns do Sul que dependem de uma companhia aérea, uma universidade, uma empresa de alimentos e por fim de fabricação e venda de móveis? São atos tão cotidianos que só nos deparamos quando as empresas estão ameaçadas em fechar as portas, sem falar em milhares de gaúchos que trabalham ligados a toda cadeia produtiva dessas empresas.

Geralmente os discursos nesse tipo de situação são políticos e sindicais, sem grande profundidade frente à complexidade da situação. Falta de políticas claras de créditos para empresas em dificuldade, exigência de um choque de gestão e afastamento de seus dirigentes, em alguns casos, irregularidades contábeis para maquiar balanços, falta de envolvimento dos credores e interessados na solução do problema, letargia dos donos e conselhos de administração, preservação da imagem a qualquer custo, inadimplência generalizada, envolvimento real da comunidade e falta de um plano de gestão de crise, são fatos reais que devem ser discutidos para que se mantenha a atividade produtiva e o menor dano a sociedade. Não defendo, de forma alguma, a intervenção do Estado na economia. Faço parte daqueles que acredita que a lógica é que somente empresas preparadas e eficientes devem e vão sobreviver. Essa é a regra de mercado. Mas como criar um ambiente para isso e minimizar o impacto de uma crise. Será que nós gaúchos precisávamos passar o que passamos com a Varig? E os estudantes da Ulbra? E as incertezas com o destino da Dougx Frangosul? E os clientes que viram as portas da Portiére fecharem sem receber os móveis adquiridos e pagos? Quem será a próxima? Em qual mercado? Quando? Não vou discutir aqui as leis trabalhistas e fiscais que sufocam as empresas. Além de não ser o foco, por muito tempo às empresas terão de conviver com esse hospício legislativo.

O Rio Grande do Sul criou mais de 90 mil empresas em 2012. Uma alta de mais de 15% em relação há 2011. As falências nesse período aumentaram 60%. Questões ideológicas e de mercado à parte o Governo e a sociedade, não se deram conta que é muito mais barato recuperar e preservar suas empresas, do que de forma simplista fomentar a abertura de novas, que não chegam ao primeiro ano de vida. Que venha o próximo, mas que estejamos preparados para agir de forma diferente, com celeridade, diálogo, rigidez e com responsabilidade.

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro