|   Jornal da Ordem Edição 3.913 - Editado em Porto Alegre em 16.08.2022 pela Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

04.07.14  |  Seguros   

Plano de saúde é responsável por cobertura de cirurgia reparadora pós-gastroplastia

A autora fez a gastroplastia por indicação médica devido à obesidade mórbida. Após a cirurgia, perdeu mais de 30 kg, o que acarretou excesso de pele. O médico indicou procedimentos pós-operatórios para a retirada de pele, porém, o plano de saúde não autorizou os procedimentos.

A condenação da Unimed Seguros Saúde S/A de arcar com despesa de cirurgia reparadora pós-gastroplastia de segurada foi mantida pela 1ª Turma Cível do TJDFT, em grau de recurso. A sentença condenatória do juiz prevê também pagamento de danos morais no valor de R$ 5 mil e multa diária de R$50 mil para o caso de descumprimento da ordem judicial.

A autora da ação relatou que fez a gastroplastia por indicação médica devido à obesidade mórbida. Após a cirurgia, perdeu mais de 30 kg, o que acarretou excesso de pele nas mamas, braços, coxas e abdome. O médico indicou dermolipectomia abdominal, mamoplastia e correção de diástase de reto abdominal, porém, a Unimed não autorizou os procedimentos. Pelos fatos, a autora pediu antecipação de tutela para obrigar o plano a arcar com as despesas, bem como condenação ao pagamento de danos morais pelos transtornos sofridos.

Em contestação, a seguradora alegou não haver cobertura contratual para cirurgia estética e informou que autorizou o procedimento de dermolipectomia por ser obrigatório. Também defendeu a inexistência de danos morais.  

Na sentença de 1ª Instância, o juiz confirmou a tutela antecipada que havia concedido e no mérito confirmou a obrigação do plano de saúde a arcar com os procedimentos. "Não cabe ao plano de saúde delimitar o tratamento para as doenças objeto da cobertura contratual. O tratamento adequado é da alçada do médico que assiste o paciente", afirmou.

Ao analisar o recurso das partes, a turma colegiada manteve o mesmo entendimento. "A obrigação do plano de saúde em custear o tratamento da paciente não se encerra com a cirurgia bariátrica, ainda mais se a equipe médica é taxativa no sentido da urgência e da necessidade de realização de outros procedimentos pós-operatórios, tal como o de retirada de pele. Tal situação não evidencia mera questão estética, mas nítida etapa reparadora do procedimento complexo a que se submetem os pacientes da referida cirurgia", concluíram os desembargadores.

Processo: 2013.01.1.185282-6

Fonte: TJDFT

Rodney Silva
Jornalista - MTB 14.759

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   [email protected]
© Copyright 2022 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro