|   Jornal da Ordem Edição 3.912 - Editado em Porto Alegre em 08.08.2022 pela Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

20.04.07  |  Consumidor   

Passagem aérea para cidade errada gera indenização a passageiro

Um passageiro que precisava viajar para San Salvador, capital de El Salvador, e foi parar na cidade de El Salvador, no Chile, será indenizado pelos danos sofridos. A 6ª Turma Cível do TJ-DFT condenou a Voetur Operadora de Turismo Ltda a pagar R$ 10 mil de danos morais. A empresa foi condenada, ainda, a pagar R$ 3.480 de danos materiais.

O passageiro Virgílio Cesar Romeiro Alves efetuou a compra do bilhete aéreo com destino a San Salvador, capital de El Salvador, onde representaria o governo brasileiro em um seminário. O autor da ação judicial afirma que a operadora emitiu incorretamente sua passagem para El Salvador, no Chile, ocasionando-lhe intenso desgaste e impossibilitando seu comparecimento ao evento. Ele alega também que não foi ressarcido das despesas e ainda foi prejudicado no trabalho por não ter cumprido com o compromisso.

Para a Voetur, o passageiro poderia ter verificado a incorreção do bilhete ao recebê-lo. Ressaltou que ao tomar ciência dos fatos colocou novos bilhetes à disposição do passageiro. Disse que o erro não foi exclusivo da empresa, pois a secretária do autor da ação, ao efetuar a reserva do bilhete, não esclareceu se El Salvador era a cidade do Chile ou o país da América Central. Alegou também que não há provas de que o autor tenha sido prejudicado no trabalho em virtude do fato.

De acordo com a sentença que condenou a Voetur em primeira instância, não havendo culpa exclusiva do autor pelo ocorrido, não há como a empresa ré se furtar de sua responsabilidade, conforme o Código de Defesa do Consumidor. Para a magistrada, são evidentes os danos causados ao passageiro, que foi obrigado a pernoitar no Chile após longa viagem, enquanto aguardava a solução do problema, tendo retornado ao Brasil sem cumprir as obrigações para as quais havia se programado.

A juíza destaca no caso julgado a importância do princípio da informação. “Nos dias atuais, tendo em vista a massificação dos negócios, o princípio da informação deve ser visto com maior importância, já que pela rapidez com que as coisas acontecem e os negócios são firmados, com uma influência muito grande do marketing, necessária a idéia de veracidade dos fatos alegados, bem como a completa informação ao consumidor”, afirma em sua sentença.

No entendimento da magistrada, se a secretária do autor da ação não esclareceu se El Salvador era cidade ou país, cabia à Voetur esclarecer os fatos, antes de emitir precipitadamente as passagens aéreas sem os esclarecimentos necessários. A juíza ressalta o fato de que o autor não podia perceber o erro numa simples verificação das reservas, pois os consumidores não têm conhecimento das abreviaturas utilizadas nas passagens aéreas para a identificação do destino final de cada trecho. (Proc. nº 20040111049443 - com informações do TJ-DFT).

Rodney Silva
Jornalista - MTB 14.759

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   [email protected]
© Copyright 2022 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro