|   Jornal da Ordem Edição 3.881 - Editado em Porto Alegre em 24.06.2022 pela Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

11.04.22  |  Dano Moral   

Indisponibilidade de assento em voo aéreo não configura dano moral indenizável

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba julgou improcedente pedido de indenização, por dano moral, feito por uma consumidora, em razão da indisponibilidade de assento num voo João Pessoa/Guarulhos. O caso foi julgado na Apelação Cível nº 0812647-02.2020.8.15.0001, oriunda da 6ª Vara Cível de Campina Grande. A relatoria do processo foi do juiz convocado Carlos Eduardo Leite Lisboa.

Conforme consta nos autos, a autora comprou, em novembro de 2019, passagem aérea internacional com o objetivo de embarcar no dia 15 de dezembro, assim, ao realizar o check- in, arcou com a quantia de R$ 39,00, adquirindo um assento conforto 3 A, para o trecho João Pessoa a Guarulhos. Contudo, afirmou, que ao adentrar na aeronave, não havia o assento 3 A, desse modo, mesmo possuindo o cartão de embarque Class Confort foi obrigada a sentar nas poltronas de saída de emergência, pois eram as únicas vagas dentro do avião.

Segundo o relator do processo, a controvérsia está em definir se a indisponibilidade do referido assento gerou ou não danos morais indenizáveis à apelada. Ele entendeu que não. "Dos fatos e provas constantes nos autos, entendo que não há que falar em indenização moral. Apesar do aborrecimento vivenciado pela autora, a atitude ilícita da ré não lhe ensejou, por si só, qualquer lesão existencial. Isto é, não se verificou ofensa a algum atributo de sua personalidade ou mesmo violação a algum direito fundamental que dignifica sua existência como pessoa humana. Tratou-se de mero descumprimento contratual, relativamente à indisponibilidade do assento conforto adquirido", pontuou.

O relator lembrou que para a procedência de pleito indenizatório moral é preciso que se demonstre o dano existencial suportado pelo ofendido; qual o dano causado à própria existência humana, considerada não só os direitos da personalidade protegidos sob o artigo 5º, inciso X, da Constituição Federal (a vida privada, a honra, a imagem e a intimidade), como também uma lesão a um direito fundamental que dignifique a existência humana (artigo 1º, inciso III, da CF). "Assim, impõe-se pontuar que o sofrimento humano não se qualifica como dano existencial. Conforme ensina a melhor doutrina, este sentimento, tal com a angústia e a dor, ou qualquer outro mal sentimento que se tenha, se tratam somente de manifestações humanas derivadas, isso sim, da ocorrência de uma lesão existencial, consigo não se confundindo. Ou seja, não são realmente o dano, mas um sintoma da causa, que é o dano, a lesão ao bem existencial", frisou o magistrado em seu voto.

Da decisão cabe recurso.

Fonte: TJPB

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2022 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro