|   Jornal da Ordem Edição 3.698 - Editado em Porto Alegre em 04.08.2021 pela Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

13.05.13  |  Seguros   

Convênio terá que restituir plano de saúde à portadora de câncer de mama

Por equívoco na emissão do boleto de parte da empresa, mulher e filha grávida teriam perdido a assistência médica.

A Qualicorp Administradora de Benefícios deverá restabelecer o plano de saúde Sul America no prazo de 5 dias, sob pena de multa diária. A decisão partiu do juiz de direito substituto da 6ª Vara Cível de Brasília. As requeridas haviam cancelado unilateralmente o plano de saúde de segurada portadora de câncer de mama e da filha que se encontrava grávida.

Afirmou a autora que em 09/12/2011 firmou contrato de plano de assistência médica junto às empresas ré, e resolveu optar pelo plano básico. Informou que desde a adesão ao plano, pagou de forma assídua as prestações inerentes à manutenção do contrato, não havendo nenhuma cobrança por parte da seguradora. No mês de março deste ano, o boleto não chegou e a autora esqueceu-se de efetuar o pagamento. Porém, quando lembrou, promoveu o pagamento do mês de abril em vez de pagar o mês de março. Mas, assim que percebeu o seu engano, imediatamente efetuou o pagamento da tal mensalidade. Devido ao fato, as requeridas cancelaram unilateralmente o plano de saúde, mesmo informadas do erro e sem ter transcorrido o interregno de 60 dias exigido pela ANS. A autora procurou as requeridas para resolução do problema, mas não obteve sucesso.

O juiz de Direito Substituto decidiu que "em face do narrado e do documentado, no presente feito, é forçoso reconhecer, num juízo preliminar, o requisito da verossimilhança do direito da autora, merecendo guarida a alegação de que seu plano de saúde foi indevidamente cancelado. Cumpre ressaltar que a verossimilhança da alegação com base na prova inequívoca acostada aos autos não leva a um juízo de certeza, porque, se assim fosse, dispensaria a instrução da causa e se veicularia o imediato julgamento. Leva, contudo, a um juízo de probabilidade suficiente ao deferimento da antecipação pleiteada. Além disso, a demora no julgamento pode representar dano de difícil reparação para a autora, pois pode vir a sofrer prejuízos de ordem material em razão do cancelamento do seu plano de saúde. Assim, presentes os requisitos ensejadores da antecipação da tutela, é imperioso o seu deferimento. Também está presente o fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação à autora, tendo em vista a impossibilidade de utilização do plano de saúde e necessidade de cuidados médicos periódicos. Dessa forma, merece ser acolhida a pretensão antecipatória da tutela de mérito".

Processo: 59277-0
Fonte: TJDFT

Wagner Miranda
Estagiário de Jornalismo

Rodney Silva
Jornalista - MTB 14.759

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2021 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro