|   Jornal da Ordem Edição 2.889 - Editado em Porto Alegre em 21.08.2017 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

11.08.17  |  Advocacia   

TRF4 nega custeio de tratamento com células-tronco por ser experimental e duvidoso

Ela alega que restou comprovado que o tratamento pleiteado retarda a evolução da doença e não traz qualquer efeito colateral e que, portanto, é eficaz e seguro, o que teria ficado evidente nos depoimentos de pessoas que já se submeteram a este e comprovadamente apresentaram melhoras.

O tratamento com células-tronco ainda é experimental e incipiente, havendo dúvidas a respeito da extensão de sua eficácia. Com este entendimento, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve, nesta semana, a sentença que negava o pedido de uma moradora de Rio Negrinho (SC), que sofre da doença de Machado-Joseph, para que a União pagasse o tratamento em Bangkok, na Tailândia, e as despesas do acompanhante. A patologia é neurodegenerativa e conduz a incapacidades funcionais e motoras.

A paciente já realizou o tratamento uma vez. Na ocasião, ela vendeu um imóvel para obter o dinheiro da viagem. Segundo ela relata, houve melhora no seu quadro, possibilitando que realizasse funções diárias com muito menos dificuldade. Querendo reforçar o tratamento, que custa um pouco mais de 130 mil reais, recorreu à 1ª Vara Federal de Jaraguá do Sul (SC), pedindo que a União custeasse o tratamento, a viagem e a manutenção de sua estada e de seu acompanhante em Bangkok. O pedido foi julgado improcedente e a autora recorreu ao TRF4.

Ela alega que restou comprovado que o tratamento pleiteado retarda a evolução da doença e não traz qualquer efeito colateral e que, portanto, é eficaz e seguro, o que teria ficado evidente nos depoimentos de pessoas que já se submeteram a este e, comprovadamente, apresentaram melhoras.

Segundo a relatora do caso, desembargadora federal Vânia Hack de Almeira, o tratamento pretendido ainda é experimental e não tem eficácia comprovada, pois não existem pesquisas em nível mundial sobre o tema e, por isso, não é possível afirmar os seus riscos. “É fato notório que a utilização de células-tronco para o tratamento de patologias ainda é experimental e incipiente, havendo fundadas dúvidas a respeito da extensão de sua eficácia”, afirmou a desembargadora.
Fonte: TRF4

Fonte: OAB/RS

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Istagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2017 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro