|   Jornal da Ordem Edição 3.276 - Editado em Porto Alegre em 16.08.2019 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

23.05.17  |  Consumidor   

TRF4 mantém multa contra cooperativa que adulterou leite no Rio Grande do Sul

 

Na apelação, a empresa alegou que não houve realização do exame de contraprova no processo administrativo, ferindo princípio da legalidade, do contraditório e da ampla defesa.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou o pedido de nulidade de um auto de infração por presença de formol e cloretos nas amostras do leite da Cooperativa Agrícola Mixta São Roque Ltda (Cooperoque), do município de Salvador das Missões (RS). A 3ª Turma confirmou a sentença da 2ª Vara Federal de Santo Ângelo (RS).

Em agosto de 2013, a cooperativa foi autuada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) em 15 MIL 648 reais por comercializar leite contendo formol fora dos padrões legais. Na apelação, a empresa alegou que não houve realização do exame de contraprova no processo administrativo, ferindo princípio da legalidade, do contraditório e da ampla defesa. Defendeu também a nulidade do auto de infração, uma vez que a análise do produto levou mais tempo do que o permitido em lei. Segundo o Certificado Oficial da Análise (COA) do (MAPA), a amostra de leite foi coletada no dia 04 de fevereiro de 2013 e, em menos de 24h, foi recebida pelo laboratório credenciado pelo MAPA.

Para a desembargadora federal relatora do processo, Marga Inge Barth Tessler, a necessidade de realização de contraprova é afastada quando se trata de riscos associados a animais, vegetais e produtos agropecuários perecíveis, no que se enquadra o leite e considerando a substância química que teria sido encontrada na amostra, o formol. A magistrada ainda entendeu que “o início da realização dos exames a partir de dada amostra recebida é que deva ocorrer em até 24h a contar do recebimento dessa, o que de fato ocorreu. Assim não há como sustentar a ocorrência de violação do princípio de legalidade”.

Nº 5002841-31.2015.4.04.7105/TRF

Fonte: TRF4

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2019 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro