|   Jornal da Ordem Edição 3.353 - Editado em Porto Alegre em 05.12.2019 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

15.08.19  |  Dano moral   

Trabalhadora ofendida por diretor não ganha dano moral

Decisão é o TRT da 1ª região. Por maioria, o colegiado entendeu que "bitch" não significa "prostituta".

Chamar trabalhadora de “bitch” não geral dano moral. Essa foi a conclusão da 8ª turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª região (TRT-1), ao afastar a condenação de 100 mil reais, por danos morais, que uma empresa teria de pagar a uma trabalhadora. Para o colegiado, nenhum dos melhores dicionários da língua inglesa associa a palavra "bitch" a "prostituta".

Na ação, a trabalhadora alegou que foi assediada moralmente após tentar participar de uma conversa entre o seu superior e dois funcionários. Ela diz que o diretor se aproximou de seu rosto e gritou para que ela se retirasse. Ao dar as costas, a trabalhadora conta que foi chamada de "bitch" (cuja tradução livre é cachorra/prostituta). Em 1º grau, a empresa foi condenada ao pagamento de 100 mil reais por danos morais. O juízo de origem reconheceu que o diretor “era uma pessoa difícil, ríspido ao falar de trabalho, com comportamento arrogante e já tinha protagonizado outro desentendimento com o funcionário”. Assim, concluiu que a conduta do superior se destinou claramente a ofender a capacidade intelectual da trabalhadora.

No entanto, na Corte Regional o entendimento foi outro. O desembargador Roque Lucarelli Dattoli, voto divergente vencedor e redator para o acórdão, fez uma “digressão semântica” da palavra “bitch”. Para ele, além de não haver prova de que, de fato, a trabalhadora sofreu assédio moral, a palavra “bitch” não está associada à palavra “prostituta”. O magistrado ressalta que tal palavra é utilizada, na língua inglesa, mesmo em relação a pessoas do sexo masculino, "significando alguém excessivamente subserviente, que se submete aos desmandos de outrem".

“Em verdade, possível interpretar de várias formas a suposta ofensa dirigida à reclamante.” O redator afirmou que não haveria porque imaginar que, dirigindo-se à trabalhadora, o diretor tivesse em mente alguma ideia a respeito de sua vida particular.

“Faz-se essa breve digressão de ordem semântica apenas para "contextualizar" a situação, concluindo-se que, houvesse prova - e não há - da suposta ofensa à reclamante, e não se justificaria o valor arbitrado pelo d. Juízo de origem, para a indenização por danos morais.”

Processo: 0101662-58.2016.5.01.0045

 

Fonte: Migalhas

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2019 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro