|   Jornal da Ordem Edição 3.344 - Editado em Porto Alegre em 22.11.2019 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

24.03.11  |  Concursos   

Técnico não consegue reenquadramento funcional sem concurso

Foi desautorizado o reenquadramento de um técnico da Corsan em outro cargo e determinou-se à empresa apenas o pagamento da diferença salarial correspondente. Para o TST, não há direito à ascensão funcional sem aprovação prévia em concurso público, conforme exige o artigo 37, inciso II, da CF.

O reenquadramento do empregado – de Técnico de Tratamento de Água e Esgoto I para II – foi deferido na sentença de primeiro grau e contestado pela Corsan em recurso interposto no TRT4. Este manteve o entendimento de que, conforme a norma interna que regulamentava as atividades desenvolvidas pelos empregados, o trabalhador já desempenhava as atividades previstas para o cargo de Técnico de Tratamento de Água e Esgoto II, o que justificaria o reenquadramento.

O Regional afirmou que somente fora deferida nova graduação ao trabalhador, dentro de um mesmo cargo, e destacou que, segundo conclusão do perito engenheiro, o empregado era o responsável técnico pelo tratamento de água consumida pela população de Rio Grande, estimada em cerca de 64 mil economias – atribuição acima do cargo que exercia.

A empresa, no entanto, entendia que, por ser uma sociedade de economia mista, impunha-se a necessidade de aprovação em concurso público para que o empregado fizesse jus ao reenquadramento. Sustentou que, na verdade, a decisão favorável concedeu-lhe o direito de “galgar cargo diverso” daquele para o qual fora contratado. A Corsan alegou também a existência de quadro de pessoal organizado em carreira.

Na Sexta Turma, o ministro Aloysio Corrêa da Veiga, relator do acórdão, acolheu as alegações. Ele esclareceu que, após o advento da CF de 1988, não mais se admite o reenquadramento de servidor público sem concurso, mesmo diante do reconhecimento de que ele esteja atuando em função diversa daquela que originou sua contratação. “O texto constitucional não faz qualquer distinção entre o provimento do cargo público originário ou derivado, não cabendo ao intérprete fazê-lo”, afirmou.

O ministro referiu-se à jurisprudência pacificada, no TST, nos termos da Orientação Jurisprudencial n.º 125 da SDI-1, que trata da impossibilidade de reenquadramento em circunstâncias análogas às do caso analisado.

RR-80300-31.2006.5.04.0121


Fonte: TST

Rodney Silva
Jornalista - MTB 14.759

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2019 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro