|   Jornal da Ordem Edição 3.321 - Editado em Porto Alegre em 21.10.2019 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

10.07.07  |  Responsabilidade Civil   

Mantidos efeitos de decisão que obriga clube a indenizar família pela morte de adolescente

Continuam válidos os efeitos da decisão que obriga a União dos Ferroviários da Araraquarense (UFA) a indenizar família de adolescente morto nas dependências de campo da instituição. O presidente do STJ,  Raphael de Barros Monteiro, negou seguimento à medida cautelar com a qual se buscava suspender os efeitos da condenação imposta pelo Judiciário paulista.

O acidente, que deu causa ao pedido de indenização, ocorreu em março de 1999. O adolescente de 15 anos se afogou ao nadar com mais dois amigos em uma represa existente no clube mantido pela UFA na cidade paulista de Araraquara.

Os pais do rapaz entraram na Justiça pedindo indenização, afirmando que o clube estava abandonado, sem funcionários, guardas ou vigias, sem muros, cercas ou qualquer outro instrumento para impedir o ingresso de qualquer pessoa, inclusive crianças. O rapaz, segundo eles, não possuía vícios e trabalhava. O clube desde o início contestou o fato de não haver segurança no local.

Em primeiro grau, a instituição foi condenada a indenizar a família da vítima. O juiz entendeu haver culpa concorrente, ou seja, responsabilidade de ambas as partes, e, por danos materiais, condenou a empresa a pagar metade das despesas com funeral e mais 33,33% do valor que o adolescente recebia por prestação de serviços como estagiário do Centro de Promoção Educacional e Social na Comunidade. A bolsa era de R$ 119,60. A pensão mensal, incluindo 13º salário, deveria ser paga desde a data do óbito até 9 de julho de 2008, quando a vítima completaria 25 anos. Como danos morais, a condenação foi de 200 salários mínimos a cada um dos pais.

Ambas as partes apelaram, e o TJ de São Paulo rejeitou os argumentos da instituição e deferiu o recurso dos pais para estender a obrigação da empresa até a data em que a vítima completaria 65 anos de idade. Os desembargadores determinaram, ainda, que a UFA constituísse capital para o pagamento da indenização.

A entidade tentou levar o caso ao STJ, mas a tentativa também foi rejeitada pelo TJ. Assim, apresentou novo recurso e também a medida cautelar para que mantenha a questão em suspenso até que o tribunal superior decida se examina ou não a questão. A instituição contesta a penhora de valores em depósitos nas contas-correntes dela. Foram bloqueados R$ 36,8 mil de duas contas bancárias.

Ao apreciar a medida cautelar o presidente do STJ destacou que o recurso apresentado pela entidade não foi admitido no tribunal de origem e a jurisprudência do STJ ser firme no sentido da impossibilidade de se conceder efeito suspensivo a recurso nessa condição, medida cautelar nesses casos. (MC nº 1310).

.................
Fonte: STJ

Rodney Silva
Jornalista - MTB 14.759

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2019 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro