|   Jornal da Ordem Edição 3.071 - Editado em Porto Alegre em 22.06.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

27.03.18  |  Seguros   

Familiares serão indenizados por remoção de sepultura dos filhos em Canoas

O município de Canoas foi condenado em ação indenizatória pela violação e retirada de restos mortais em unidade de sepultura do cemitério da cidade.  A decisão da 5ª Vara Cível da Comarca atende a um pedido dos pais de dois filhos sepultados no local, e determina o pagamento de dano moral no valor de 3 mil reais.

Quando do ingresso na Justiça, o casal relatou a surpresa com o estado em que encontrou a sepultura, em visita ao local no Dia de Finados. A unidade estava aberta, vazia, sem vidro, mármore, adornos e fotografias. Os restos mortais haviam sido colocados em um depósito. Sobre o fato de estarem inadimplentes com o aluguel do jazigo, disseram jamais ter recebido qualquer notificação. A administração do cemitério afirmou que o pagamento não era feito há quatro anos, e que a notificação de cobrança fora feita por correio - não no endereço dos autores da ação, mas no de outro familiar, responsável pelo sepultamento. Alegou que o dano moral deveria ser afastado, pois, com a quitação do débito, os restos mortais foram resgatados e novamente sepultados.

Para a julgadora da ação, a remoção das ossadas é incontroversa, assim como não ficou provado que as pessoas tenham sido devidamente avisadas do atraso no pagamento do jazigo. "A despeito das notificações, não há prova de que tenha havido o envio destas pelo Correio, tampouco o recebimento da comunicação", observou a Pretora Marise Moreira Bortowski. Ela reconheceu o direito ao dano moral: "Os autores somente tomaram conhecimento da remoção dos ossos de seus familiares quando da visita ao túmulo", confirmou a julgadora. "Desse modo, ao ter promovido indevidamente a remoção para ossário geral, sem qualquer providência que buscasse ao menos contatar os familiares, o requerido [Município] deve suportar a reparação dos danos provocados."

A condenação, além do dano moral, determina o ressarcimento à família do valor de 268 reais gasto com o material necessário para o novo sepultamento. Cabe recurso da decisão.

Fonte: TJRS

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro