|   Jornal da Ordem Edição 3.149 - Editado em Porto Alegre em 17.10.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

18.05.18  |  Dano moral   

Detenta que sofreu queimaduras após incendiar colchão não será indenizada em Santa Catarina

A interna foi conduzida para uma cela individual por ter apresentado comportamento indisciplinado, ameaçando outras detentas

Uma detenta que sofreu queimaduras de 2º e 3º graus, após incendiar colchão na cela onde cumpria pena, não será indenizada. Assim decidiu a 4ª câmara de direito público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ/SC) ao confirmar a sentença do juízo da 1ª vara da Fazenda Pública de Joinville, que negou a indenização por danos morais, patrimoniais e estéticos pleiteados pela mulher.

A interna foi conduzida para uma cela individual por ter apresentado comportamento indisciplinado, ameaçando outras detentas. No interior da cela, a mulher ateou fogo a um colchão usando um isqueiro. As chamas se alastraram e acabaram queimando-a. Ela ajuizou ação contra o Estado de Santa Catarina, afirmando que a direção do estabelecimento sabia que ela sofria de transtorno bipolar e que não poderia ser colocada sozinha em uma cela. A mulher alegou que houve falha na prestação do serviço em razão da ausência de revista durante a troca de cela, do despreparo dos agentes prisionais e da falta de um extintor de incêndio no local.

O juízo de origem ressaltou o fato de não ter encontrado nos autos sustentação de que o transtorno psicológico teria sido causa do ocorrido. O magistrado também frisou que, quando a mulher foi isolada por conta de um atrito com suas colegas, a revista foi realizada e constatou-se que ela não portava qualquer objeto, o que a responsabiliza por ter recebido o isqueiro de suas colegas quando já estava na cela especial. A autora interpôs recurso no TJ/SC, argumentando que havia provas suficientes nos autos acerca de seu transtorno psíquico, de sua desestabilização sofrida por injustas provocações e do despreparo dos agentes prisionais responsáveis pela sua guarda.

O relator do caso, desembargador Paulo Ricardo Bruschi, entendeu que a relação conturbada da detenta com as outras presidiárias e com os agentes penitenciários foi determinante para seu isolamento temporário. Ele salientou que, com o que se extrai dos autos, não é possível comprovar a relação entre os problemas alegados e o fato. Com isso, negou provimento ao recurso. "Neste contexto, pertinente salientar que igualmente inexiste nos autos substrato probatório capaz de ratificar a assertiva de que a moléstia da qual é portadora foi, de fato, decisiva para o evento danoso narrado, ou, ainda, de que este poderia ter sido evitado pelo Estado, caso maiores cautelas tivessem sido empregadas."

Processo: 0009025-94.2011.8.24.0038

Fonte: Migalhas

Fonte: Migalhas

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro