|   Jornal da Ordem Edição 2.950 - Editado em Porto Alegre em 24.11.2017 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

23.08.17  |  Estudantil   

Bolsista do Prouni não pode se transferir sem permissão de ambas as instituições, afirma TRF4

A estudante, que cursa medicina, queria participar do processo de transferência externa. Essa é uma forma de ingressar na Univali. No entanto, ela proíbe a participação dos acadêmicos de Medicina que recebem bolsa ProUni.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou o pedido de transferência de uma bolsista do Programa Universidade para Todos (ProUni) da Ulbra, em Canoas (RS), para a Univali, em Itajaí (SC). Segundo a decisão, a mudança só pode ocorrer quando ambas as instituições de ensino estiverem de acordo e existir vaga na instituição de destino.

A estudante, que cursa medicina, queria participar do processo de transferência externa. Essa é uma forma de ingressar na Univali. No entanto, ela proíbe a participação dos acadêmicos de Medicina que recebem bolsa ProUni. A bolsista ajuizou ação na 2ª Vara Federal de Itajaí, solicitando um mandado de segurança que determinasse à Univali sua participação no processo de transferência externa para o segundo semestre de 2017.

O pedido foi indeferido, levando a autora a recorrer ao tribunal. Ela alega que a exigência de anuência das instituições envolvidas carece de base legal. Segundo o relator do caso no TRF4, juiz federal convocado Sérgio Renato Tejada Garcia, inexiste qualquer ato abusivo ou ilegal, uma vez que a norma de regência do ProUni, a Portaria nº 19/2008 do MEC, traz, como pressuposto da transferência do usufruto da bolsa do beneficiário do programa, a anuência de ambas as instituições de ensino envolvidas e a existência de vaga. “Não tendo a autora a anuência de ambas as instituições de ensino, além de inexistir vaga na instituição pretendida, na forma do regulamento, não há que se falar em direito líquido e certo a ser amparado por mandado de segurança”, afirmou o juiz.

Nº 5031196-55.2017.4.04.0000/ TRF

Fonte: TRF4

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Istagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2017 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro