|   Jornal da Ordem Edição 3.123 - Editado em Porto Alegre em 07.12.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

09.07.18  |  Diversos   

TRF4 nega indenização a paciente por espera de leito em emergência em Santa Maria

Segundo a decisão da 4ª Turma, o incômodo por deixar de receber atendimento médico exatamente da forma em que desejava não pode ser enquadrado como evento danoso de natureza psicológica passível de indenização por danos morais.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou, por unanimidade, indenização por danos morais a um paciente com hanseníase que alegava demora do Estado em lhe conseguir leito isolado em hospital. Segundo a decisão da 4ª Turma, o incômodo por deixar de receber atendimento médico exatamente da forma em que desejava não pode ser enquadrado como evento danoso de natureza psicológica passível de indenização por danos morais.

O morador de Santa Maria de 60 anos ajuizou ação com pedido de tutela antecipada em maio do ano passado contra a União e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e obteve liminar, determinando ao Hospital da instituição que providenciasse a internação com isolamento ou, enquanto não houvesse vagas na ala de isolamento, em leito com condições higiênicas e de infraestrutura que evitem sua contaminação e outros problemas de saúde associados, o que foi feito.

Em sentença proferida em outubro do mesmo ano, a 3ª Vara Federal de Santa Maria confirmou a liminar, mas negou indenização por danos morais, o que levou o autor a recorrer no tribunal contra a União. Conforme a defesa, o autor teria ficado aguardando na emergência em meio a muitos doentes com um ferimento aberto na perna esquerda, tendo passado por vergonha e sofrimento. Segundo o relator, desembargador federal Luís Alberto d’Azevedo Aurvalle, somente a conduta dolosa ou culposa dos agentes de saúde, com contribuição ao evento danoso, pode ensejar a responsabilidade do ente público, o que não teria sido o caso, visto que não havia leito livre quando o autor chegou ao hospital.

 

Fonte: TRF4

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro