|   Jornal da Ordem Edição 3.147 - Editado em Porto Alegre em 15.10.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

16.07.18  |  Consumidor   

Shopping de automóveis não é responsável por danos de locatários aos clientes em São Bernardo do Campo

Não é exigível que o locador de espaços de vendas seja considerado parceiro comercial para fins de reparação de danos inerentes às relações comerciais de seus locatórios, dado que o contrato de locação de espaço comercial não transforma o locador em sócio ou parceiro comercial do locatário.

A 2ª turma Cível do Colégio Recursal - São Bernardo do Campo/SP reformou a sentença em um caso sobre a responsabilidade solidária dos shoppings centers de veículos pelos danos que seus locatários causam aos clientes. O shopping de automóveis interpôs um recurso inominado, afirmando sua ilegitimidade passiva para constar em ação em que o autor pretende ser ressarcido de danos materiais e morais causados por dívida de veículo junto ao Detran-SP.

O relator Maurício Tini Garcia concordou com o argumento da falta de correspondência entre os danos materiais afirmados pelos autores e uma ação ou omissão da recorrente, o que “veda de maneira absoluta o acolhimento da pretensão indenizatória em discussão”.

“Seja a responsabilidade objetiva ou subjetiva, o nexo causal é indispensável para a caracterização do dever de indenizar, sendo fundamental que o dano tenha alguma relação com ação ou omissão do sujeito. ” No caso, constatou o relator que nada nos autos sinaliza que o shopping de automóveis tenha participado do contrato de compra e venda firmado entre os autores e a ré.

“Também não emerge dos autos que a recorrente tenha de forma direta ou indireta oferecido aos frequentadores do espaço por ela administrado uma garantia por eventuais danos materiais e morais derivados dos contratos realizados com seus locatários. ”

Conforme Garcia, não é exigível que o locador de espaços de vendas seja considerado parceiro comercial para fins de reparação de danos inerentes às relações comerciais de seus locatórios, dado que o contrato de locação de espaço comercial não transforma o locador em sócio ou parceiro comercial do locatário. “Diante da evidência de que a recorrente não tem qualquer controle sobre os contratos firmados por seus locatários com os clientes que frequentam o espaço locado, data vênia, emerge inequívoco o desacerto do acolhimento do pedido. ”

Assim, o relator julgou improcedente o pedido inicial em relação ao shopping. A decisão do colegiado foi unânime.

Processo: 1032086-71.2017.8.26.0564

 

Fonte: Migalhas

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro