|   Jornal da Ordem Edição 3.168 - Editado em Porto Alegre em 14.11.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

17.10.18  |  Trabalhista   

Mantida justa causa de funcionários que violaram sigilo de informações de empresa em Salvador

O juiz do trabalho da 20ª vara de Salvador/BA, Hugo Nunes de Morais, manteve dispensa por justa causa de dois funcionários de uma empresa do ramo de energia eólica que violaram o sigilo de informações da companhia. O magistrado também condenou os trabalhadores por má-fé.

Na justiça, os dois funcionários alegaram que, junto com mais seis empregados, foram dispensados após disponibilizarem seus currículos online a fim de obterem propostas vantajosas de emprego. A empresa, por sua vez, afirmou que o contrato de trabalho de ambos os trabalhadores continha cláusula de confidencialidade e de não concorrência, já que a empresa desenvolve estudos na área em atua e que os demandantes haviam sido contratados para esses fins.

A companhia afirmou que o ato praticado pelos trabalhadores permitiu a divulgação de informações de cunho sigiloso, gerando a aplicação da justa causa. Ao analisar o caso, o juiz afirmou que as cláusulas contratuais tinham validade plena haja vista a natureza específica das atividades estratégicas desenvolvidas pela empresa, e que a validade destas cláusulas sequer foi questionada pelos autores. O magistrado pontuou que a atitude dos funcionários, "ao contrário do quanto ardilosamente alegado pelos autores, não se tratou de uma mera divulgação de currículos e procura de emprego por ambos, mas de uma efetiva atividade paralela em direta concorrência com a primeira demandada".

De acordo com o julgador, a farta documentação juntada aos autos afasta qualquer dúvida quanto ao caráter ilícito dos atos cometidos pelos autores e demonstra "a plena consciência que tinham da ilegalidade contratual que vinham cometendo. Tanto que vinham desenvolvendo este projeto paralelo às escondidas". O magistrado ressaltou que, em seus depoimentos, os autores confessaram a prática ilícita. Ao entender que as alegações feitas inicialmente pelos autores alteravam a verdade dos fatos, o juiz manteve a dispensa por justa causa dos funcionários e condenou-os por litigância de má-fé, determinando, a cada um, o pagamento de multa em favor da empresa no valor de 3 mil reais e indenização por danos morais no valor de 1 mil reais.

"Trata-se esta demanda de um caso clássico ilustrado pela literatura, com todas as suas peculiaridades e agravantes, a exemplo da previsão expressa do contrato de trabalho dos autores quando à confidencialidade e cláusula de não concorrência, além do direto prejuízo causado ou potencialmente causador de danos à primeira demandada."

Processo: 0010366-24.2013.5.05.0020

A sentença não será divulgada em razão de segredo de Justiça  

Fonte: Migalhas

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro