|   Jornal da Ordem Edição 2.945 - Editado em Porto Alegre em 17.11.2017 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

26.09.17  |  Estudantil   

Justiça manda liberar valor inferior a 40 salários mínimos de professor de universidade gaúcha que teve bens bloqueados

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou a ação de improbidade em 2016, acusando o professor de ter infringido as regras de um concurso público para a escolha de docente da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), para o qual fazia parte da banca examinadora, ao omitir a informação de que foi coorientador de uma das candidatas em seu mestrado. Em função da proximidade entre os dois, o concurso foi anulado.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou a devolução de valores inferiores a 40 salários mínimos de um professor da Universidade Federal de Peloras (UFPel). Ele teve os bens bloqueados em ação de improbidade administrativa.

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou a ação de improbidade em 2016, acusando o professor de ter infringido as regras de um concurso público para a escolha de docente da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), para o qual fazia parte da banca examinadora, ao omitir a informação de que foi coorientador de uma das candidatas em seu mestrado. Em função da proximidade entre os dois, o concurso foi anulado.

A Justiça Federal de Uruguaiana (RS) determinou o bloqueio dos bens do professor e da candidata, para garantir o pagamento do prejuízo ao erário com o cancelamento do concurso. O docente pediu, porém, que os valores depositados em sua conta no banco fossem desbloqueados, sustentando serem verbas de natureza alimentar. A 2ª Vara de Uruguaiana acolheu o pedido e determinou o desbloqueio, com o entendimento de que quantia de até 40 salários mínimos não pode ser penhorada se é a única reserva da parte.

O MPF recorreu ao tribunal, mas a 4ª Turma decidiu, por unanimidade, negar o recurso. De acordo com o relator do caso, desembargador federal Luís Alberto d'Azevedo Aurvalle, os valores desbloqueados são proventos salariais recebidos pelo réu, "o que, em princípio, remete à aplicação da regra da impenhorabilidade prevista no regramento processual, ainda que se esteja diante de valores a serem resguardados para fins de cobrir eventual condenação pela prática de ato de improbidade administrativa". A ação segue tramitando na 2ª Vara Federal de Uruguaiana.

5030965-28.2017.4.04.0000/TRF

Fonte: TRF4

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Istagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2017 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro