|   Jornal da Ordem Edição 3.087 - Editado em Porto Alegre em 18.07.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

13.12.17  |  Diversos   

Jornal é condenado por publicidade que ofende concorrente em Santa Catarina

A ação tem origem em anúncios com os dizeres "tem gente que anda contando história para boi dormir" ao lado da imagem de um animal dessa espécie que cochilava sobre as páginas de um jornal, em alusão ao informativo de propriedade da demandante.

Uma empresa jornalística terá de indenizar concorrente no ramo da comunicação por uso de propaganda abusiva que a denegriu e expôs sua imagem perante a clientela local. A decisão é da 5ª câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ/SC), que fixou 10 mil REAIS de danos morais.

A ação tem origem em anúncios com os dizeres: "tem gente que anda contando história para boi dormir" ao lado da imagem de um animal dessa espécie que cochilava sobre as páginas de um jornal, em alusão ao informativo de propriedade da demandante. A ré aduziu que os anúncios refletiram apenas campanha publicitária em que não houve identificação da autora, mas sim exploração de bom humor, o qual não caracterizaria dano moral.

O juízo de 1º grau considerou improcedente a ação, mas para o desembargador Jairo Fernandes Gonçalves, relator da apelação, da análise da imagem sobre a qual recai a controvérsia é possível vislumbrar a alusão ao periódico autor, mesmo que de forma indireta, seja pelo formato, seja pela coloração da fonte utilizada no jornal sob a imagem do animal colocado na propaganda. "Ao lançar a asserção ‘história para boi dormir' associada à imagem da parte autora, a parte ré, indiscutivelmente, ofendeu a honra da sua concorrente, porquanto aludidas expressões são popularmente conhecidas como sinônimo de histórias inverídicas e levam o consumidor mais vulnerável a crer que o veículo de comunicação objeto da galhofa não é digno de credibilidade."

Assim, conforme o relator, a publicidade não pode ser utilizada com o fito de denegrir gratuitamente a imagem de concorrentes. "O maior patrimônio de um periódico é a credibilidade conquistada no seio social, sobretudo por meio da isenção e da imparcialidade em seu nobre e democrático mister de informar."

A decisão foi unânime.

Processo: 0310514-11.2015.8.24.0020

Fonte: Migalhas

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro