|   Jornal da Ordem Edição 3.280 - Editado em Porto Alegre em 22.08.2019 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

02.05.07  |  Previdenciário   

Instituto de Previdência deverá reajustar valor de pensão por morte

Pensionista tem o direito de ver repassado o valor do aumento da pensão a que o servidor falecido seria beneficiado. Esse foi o entendimento da 2ª Câmara Cível do TJRS, ao condenar o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (Ipergs) a proceder aos reajustes previstos na Lei nº 10.395/95.

A pensionista Leonor Gaspar de Mello pleiteou o pagamento das diferenças decorrentes da repercussão dos reajustes, em face da alteração na base do cálculo sobre a qual incidiram os aumentos subseqüentes.

Sentença do juiz Almir Porto da Rocha Filho, do Foro de Porto Alegre, julgou procedente o pedido para condenar o Ipergs a proceder aos reajustes previstos no art. 13, incisos IV e V, da Lei Complementar nº 10.395/95, respeitada a prescrição qüinqüenal e acrescidos de correção monetária pelo IGP-M, desde a data em que deveriam ter sido pagas, e juros de 0,5% ao mês, a incidir desde a citação.

Condenou o réu ao pagamento das custas processuais e honorários de 5% sobre o montante das parcelas vencidas até a sentença adicionado de uma anuidade.

As duas partes apelaram. A autora defendeu a majoração dos honorários advocatícios para 10% sobre o valor da condenação, bem como afirma que devem ser pagas as diferenças decorrentes da repercussão dos reajustes, em face da alteração na base de cálculo sobre a qual incidiram os aumentos subseqüentes

Segundo o relator do recurso, desembargador Adão Sérgio do Nascimento Cassiano, não se pode entender a falta de fonte de custeio simplesmente como o descumprimento da lei pelo Estado. “Se ele não cumpre a lei extrajudicialmente, então, o que se deve fazer é forçá-lo judicialmente a cumprir a lei” - afirma o voto.

Pelo julgado, a não-implementação dos reajustes aos servidores ativos não impede que a pensionista pleiteie seu direito de receber a pensão por morte nos mesmos valores que receberia o falecido servidor se estivesse vivo.

“O descumprimento da lei pelo Estado não pode prejudicar a pensionista, muito menos contornar a disposição constitucional que determina o reajuste da pensão nos mesmos moldes dos vencimentos do servidor falecido”, salientou o relator.

Segundo acórdão, ressalvado o período prescrito, os reajustes previstos devem incidir no primeiro mês não abarcado pela prescrição. Sobre o valor apurado incidirá a correção monetária, desde a data em que devida cada parcela, servindo o valor como base de cálculo para os reajustes e aumentos que foram posteriormente concedidos, devendo ser pagas as diferenças eventualmente existentes entre o que foi pago e o que deveria ser satisfeita.

O advogado Telmo Schorr atuou em nome da pensionista. Seus honorários foram majorados para 10% sobre as parcelas vencidas até a sentença. (Proc. nº 70018563064 - com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital ).

Rodney Silva
Jornalista - MTB 14.759

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2019 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro