|   Jornal da Ordem Edição 2.945 - Editado em Porto Alegre em 17.11.2017 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

10.10.17  |  Diversos   

Dono de cavalo é responsabilizado por acidente que matou jóquei

O funcionário domava um cavalo na propriedade particular quando, no trajeto para a pista de corrida, o cavalo empinou e virou de costas caindo sobre ele. O jóquei foi levado ao hospital, mas morreu 14 dias depois. Os familiares pediram a responsabilização do proprietário pelo acidente e o pagamento de indenização por danos morais e materiais.

O proprietário deverá indenizar família de jóquei que morreu em acidente enquanto domava um cavalo. Para a Sessão Especializada em Dissídios (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o jóquei exercia função para a qual não era preparado, ficando exposto ao risco.

O funcionário domava um cavalo na propriedade particular quando, no trajeto para a pista de corrida, o cavalo empinou e virou de costas caindo sobre ele. O jóquei foi levado ao hospital, mas morreu 14 dias depois. Os familiares pediram a responsabilização do proprietário pelo acidente e o pagamento de indenização por danos morais e materiais. O juízo de 1ª instância julgou o pedido improcedente, mas o TRT da 9ª região reformou a sentença e deferiu a indenização, condenando o proprietário a indenizar a família em 100 mil reais por danos morais e pensionamento mensal a título de danos materiais.

Em recurso no TST, a 7ª turma reiterou o entendimento do TRT que considerou como de risco a atividade do jóquei, tendo em vista que aqueles que lidam com animais estão submetidos a uma probabilidade maior de danos por conta da imprevisibilidade do seu comportamento, imposta por fatores sobre os quais, por mais habilidade ou experiência na função, o homem não detém controle. Assim, se foi permitido ou mesmo determinado que o jóquei domasse o animal, assumiu-se o risco por essa atitude. A Seção Especializada, por maioria, seguiu o voto do relator, ministro Augusto César Leite de Carvalho, pelo não conhecimento do recurso. Para o ministro, a situação analisada não se enquadra na situação regida pelo artigo 1527 do CC/1916, que trata de dano causado por animal a terceiro.

Segundo o relator, o Regional estabeleceu um vínculo direto entre o jóquei e o proprietário que a princípio não contemplava a atividade de doma, mas ainda assim o jóquei teria atuado como domador. “Ao permitir que ele atuasse não apenas como jóquei, mas também como domador, o proprietário estaria assumindo o risco".

Processo: RR-9953600-29.2006.5.09.0013

Fonte: Migalhas

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Istagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2017 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro