|   Jornal da Ordem Edição 3.279 - Editado em Porto Alegre em 21.08.2019 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
ARTIGO

02.07.07  |  Carlos Brito   

Organização política e social - artigo de Carlos Brito, funcionário da Subseção de Esteio da OAB-RS

Por Carlos Brito,
funcionário da Subseção de Esteio da OAB e acadêmico de Direito.
 
O Estado nada mais é do que uma máquina controladora e dominadora da sociedade, sempre foi assim. O cidadão continuamente na história foi subserviente às políticas impostas pelo Estado.

É verdade que existiram revoltas de grupos organizados, prevalecendo, claro, critérios de ação correspondentes à cultura de cada época e lugar.

Mas, atualmente, neste cenário “epopéia” que vivemos, a concepção de Karl Marx sobre a teoria do Estado é válida para o Estado Moderno, podendo ser aplicada aos dias de hoje. A instituição que criamos, chamada de Estado, está oprimindo toda uma sociedade, de forma displicente trata as questões sérias que abalam o povo, restando no acúmulo da miséria social que vivenciamos.
 
O espetáculo da miséria é apresentado ao brasileiro todos os dias. Não vivemos apenas miséria de dignidade humana, mas, também, indigência intelectual do povo e fraqueza cerebral dos responsáveis em difundir a informação. O regime militar terminou, porém, continua circulando a informação deturpada, tendenciosa, com terminologias e ideologias questionáveis. O nível de informação no Brasil é de modo geral regular, entretanto, verifica-se padrões precários por parte de alguns veículos propagadores da informação. Essa situação é nítida nas eleições políticas, pela ação do telejornalismo, rádio, debates, pesquisas de estatísticas duvidosas, dentre outros meios de divulgação.
 
A informação incompleta ou afastada da realidade gera dúvidas, descaminhos e interpretações anômalas por parte da sociedade civil. E, isso, sem dúvidas, breca a manutenção da política, tão necessária no momento.
 
O Estado não deve providenciar apenas a manutenção do sustento do povo, é dever, ainda, de propiciar adequada informação para o desenvolvimento do indivíduo dependente do governo. O que se vê são indivíduos eternamente dependentes do Estado, profissionalizando-se inclusive, nos programas sociais de apoio social à população, como exemplo, temos os atuais programas Bolsa-Família, Bolsa-Escola, Vale-Gás, Auxílio-alimentação, etc.
 
Ademais, podemos verificar pessoas totalmente satisfeitas com o assistencialismo político, deslumbrando-se com os benefícios concedidos, esquecendo-se que o político passa pelo poder, mas seus atos permanecem na história. E o saldo dessa manipulação de poder econômico resulta na grande massa de penúria cotidiana de muitos brasileiros. 
 
(*) E.mail: gerencia@oabesteio.org.br

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2019 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro