|   Jornal da Ordem Edição 3.128 - Editado em Porto Alegre em 14.12.2018 pelo Departamento de Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
ARTIGO

30.04.07  |  Eliakim Araújo   

A ilibada reputação dos juízes - Artigo de Eliakim Araújo

Por Eliakim Araújo,

O prezado leitor reparou como, há algum tempo,  magistrados têm frequentado as primeiras páginas dos nossos jornais? Está virando rotina e isso não é um bom sinal, sobretudo porque não aparecem em notícias que os engrandeçam. Ao contrário, estão envolvidos num vasto emanhando de acusações que vão da venda de sentenças à concessão de benefícios a empresas para redução da carga de impostos.

É lamentável que isso ocorra exatamente entre aqueles que deveriam primar por um comportamento exemplar no ofício de distribuir justiça, uma função nobilíssima e quase tão sagrada quanto a de um sacerdote. Magistrados devem (ou deveriam) ter uma vida pessoal discreta. Por isso, quando viram notícia com essa frequência é porque alguma coisa não vai bem com o Poder Judiciário.

Foi-se o tempo em que, para ter acesso à carreira, os candidatos a juiz de direito deveriam, além de superar o rigor do exame de provas e títulos, reunir elevados atributos morais e, principalmente, possuir uma “ilibada reputação”.

Mas essa “ilibada reputação” parece coisa do passado e não faz parte do comportamento de um número crescente de magistrados que se valem do cargo para obter vantagens ilícitas. E não é preciso grande esforço de memória para lembrar os nomes de alguns desses corruptos que mancham a instituição como um todo, salpicando respingos nos profissionais honestos.

Com certeza o leitor deve se lembrar de muitos desses corruptos. Quem não se lembra, por exemplo, do ex-juiz Nestor José do Nascimento, do Rio de Janeiro. Esse chegou ao cúmulo de guardar drogas em seu apartamento para facilitar o tráfico.

Outro caso escabroso foi o que o envolveu os juizes federais em São Paulo, João Carlos da Rocha Mattos e Casem Mazloum. Nesse havia de tudo, desde venda de sentenças até formação de quadrilha, com envolvimento de policiais, voltada para a prática de crimes.

E o mais célebre de todos, o do juiz trabalhista Nicolau dos Santos Neto, o tristemente famoso juiz Lalau, condenado por desviar para a Suiça e Bahamas muitos milhões da obra do prédio do TRT em São Paulo. Só para citar alguns.

É certo que hoje, graças à eficiência investigativa da Polícia Federal, alguns magistrados têm sido punidos e afastados de suas funções. Poucos, ainda. A grande maioria se livra das acusações, utilizando-se do tradicional “jeitinho brasileiro” que funciona também no corporativismo de classe.

A velha discussão sobre o controle externo do Judiciário parece mais atual do que nunca diante de tantos descalabros. O Judiciário vive uma grave crise de credibilidade. Uma mudança de rumos é necessária e urgente, nem que para isso seja necessária a criação de algum mecanismo legal que defina os crimes de responsabilidade dos magistrados, pois o cidadão precisa voltar a confiar nos homens encarregados de fazer cumprir as leis.

Por ultimo, sobre o assunto, transcrevo e-mail que recebi do juiz trabalhista em São Paulo, Marcos Neves Fava. Ele tem uma visão otimista sobre os últimos acontecimentos envolvendo magistrados: “Feliz o país que pode ver na cadeia desembargadores, juízes, assessores de tribunais e năo estremecer, nem levemente, o funcionamento das instituiçőes. É parte da democracia”.

(*) E-mail - eliakimaraujo@diretodaredacao.com.br

Artigo publicado originalmente em www.diretodaredacao.com - onde podem ser lidos, também: 

Nas asas de uma geração - Carla Marques - “Hércules 56” é bem-sucedido em resgatar arquivos da ditadura que não foram queimados, corrompidos ou esquecidos. Ou seja, as pessoas.

Heróis latino-americanos - Mair Pena Neto - Resgate de Francisco Caamaño, líder da revolução constitucionalista de 1965, na República Dominicana, simboliza os ares de liberdade na região.

Tiro no pé - José Inácio Werneck - Em vez de liderar o Terceiro Mundo na luta contra o aquecimento global, o Brasil decide se juntar, nos debates nas Nações Unidas, aos grandes causadores do problema.
 
A esquerda francesa tem cara de mulher bonitaRui Martins - Tudo exceto Sarkozy, é o apelo da esquerda francesa, unida em torno de Ségolène Royal, para o segundo turno, dia 6 de maio. 
 
Faroeste urbano - Claudio Lessa - Enquanto a sociedade clama por um sistema de justiça mais punitivo, as autoridades patrocinam o amolecimento dos padrões de cobrança na contra-mão do que se espera.

Violência recorrente - Antonio Tozzi - A violência não conhece fronteiras, mas no caso dos Estados Unidos é inegável que a facilidade na aquisição de armas facilita os assassinatos em série.
 
Cariocando - Leila Cordeiro - Apesar de tudo, o carioca arranja sempre um jeitinho de dizer que o Rio é a cidade mais linda do mundo. E agora vibra porque o Cristo pode ser uma das novas maravilhas da terra.

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
RÁDIO OAB/RS
Rádio OABRS
MAPA DO SITE
Abrir
(51) 3287.1839
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   comsocial@oabrs.org.br
© Copyright 2018 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro